quinta-feira, 19 de abril de 2018

Seminário 9 - A Identificação - Jacques Lacan



Nesse seminário Lacan se dedica à questão da identificação, distinguindo 3 tipos de identificações, inspiradas em Freud: identificação por “incorporação”, por regressão (a um traço unário) e identificação imaginária, histérica.
O conjunto do problema da identificação será colocado a partir da identificação pelo traço unário, definido como aquilo que todo significante tem em comum, a saber, o fato de ser antes de tudo constituído como traço e de ter esse traço como suporte. 
Ele parte da noção de traço único, apresentada por Freud na teoria da identificação, como identificação parcial a um traço do objeto, transformando o único freudiano em unário, termo através do qual introduz sua concepção do um, fundamento da diferença que demarca o conceito de identificação pela via simbólica, afastando-se da idéia de unificação que perpassa as identificações imaginárias. 
O traço unário surge no lugar do apagamento do objeto, sendo antes um traço distintivo, de pura diferença, que marca a divisão do sujeito pela própria linguagem, onde algo, que diz respeito ao objeto, se perde. Por isso, como um nome, marca um a um, na sua singularidade. O nome próprio seria um exemplo de traço unário, na medida em que se situa como marca distintiva e não se traduz. 
Lacan afirma ainda que na fundação do UM, do Há Um que tal traço constitui, somente pode ser pensada em sua ‘unicidade’ enquanto esse traço é, como todo significante, sempre primeiro. Ele é um traço distintivo, único, que cria a função do UM: existe o Um – il y a de l’Un -, o Um da unicidade que virá constituir o sujeito em sua relação com o Outro. Esse Um se fará representar por um significante extraído como um ‘traço unário’ desse Outro. Além disso, ele carrega em si o suposto encontro com o objeto, pois surge do encontro com esse objeto por ser algo do objeto que retém na sua unicidade.

BAIXE AS VERSÕES EM:

(Traduzido pelo Centro de Estudos Freudianos do Recife a partir da versão da Associação Freudiana Internacional)

(Versão Crítica por Ricardo Rodriguez Pontes)

(Staferla)


Um comentário:

  1. Olá! Na versão em português, as páginas 16 e 17 estão faltando...

    ResponderExcluir